Foto do livro a livraria dos achados e perdidos

Para quem ama livros com personagens livreiros, assim como eu. Uma história emocionante, cheia de percalços e uma protagonista que fará de tudo para ultrapassá-los.


A livraria dos achados e perdidos
Sinopse: Após uma tragédia, Natalie Harper herda a charmosa, mas praticamente falida, livraria de sua mãe, localizada num prédio histórico no centro de São Francisco, na Califórnia, e a responsabilidade de cuidar do seu avô Andrew, cada vez mais debilitado. Natalie precisa de um sinal, ou pelo menos de um livro que a ajude a resolver seus problemas, mas em vez disso recebe Peach Gallagher, contratado por sua mãe para fazer reparos no prédio. À medida que Peach começa seu trabalho, Natalie se vê envolvida numa jornada de novas conexões, descobertas e revelações, de artefatos antigos escondidos nas paredes da livraria até verdades inexploradas sobre sua família, seu futuro e seu coração.


Da autora Susan Wiggs, “A livraria dos achados e perdidos” é um daqueles livros que aquece o coração. Sensível e delicado, traz uma trama romântica, doce e envolvente. Com personagens cativantes e auspiciosos que te faz sentir vontade de abraçar. Narra a história de Natalie Harper, uma jovem que, ao ser pega de surpresa por uma tragédia, vê sua vida mudar drasticamente.


E acima de tudo observe o mundo ao seu redor com olhos curiosos, porque os maiores segredos estão sempre escondidos nos lugares mais improváveis. (p. 62)

 

Natalie é uma mulher inteligente, organizada e eficiente. Cresceu rodeada de livros, pois sua mãe Blythe Harper é dona de uma tradicional livraria em São Francisco – A livraria dos achados e perdidos. Mãe, filha e avô, o Sr. Andrew, moravam no apartamento que fica em cima da livraria. Que maravilha! Viver rodeada de livros. Um ponto a ser destacado no livro, é o fato de ser criada sem um pai, o que não é nada fácil, mesmo quando se vive em uma família que transborda amor, a falta do laço paterno traz um grande vazio na criança. Mas, Natalie cresceu e foi mora em outra cidade, onde trabalha em uma empresa de vinhos.


Nós saímos em uma grande aventura toda vez que abrimos um livro. (p. 77)

 

 Acho que você vai gostar destas resenhas:


Após uma grande tragédia, Natalie herda a livraria, juntamente com as dívidas que a acompanha, e a incumbência de cuidar de seu avó. O livro enfatiza a importância da família, com o cuidado e a preocupação que Natalie tem com seu avô, uma linda relação entre vô e neta. Assim, Natalie abandona seu emprego e a vida tranquila que ele lhe proporcionava, retornando para São Francisco, determinada a salvar a livraria e as memórias históricas de sua família. Uma decisão nada fácil, para quem está profissionalmente estabilizada e desfrutando o ápice de sua carreira, mesmo quando não se sente feliz com o trabalho que tem. Todavia, o amor pelos entes amados falou mais alto que sua vida confortável.  


– Blythe costumava dizer que você nunca vai ser feliz com o que deseja até saber ser feliz com o que tem. (p. 109)

 

Nesta jornada rumo a uma nova vida, ela acaba por descobrir que o prédio está às ruínas e ao dar início a uma pequena reforma, são encontrados artefatos antigos de seu antepassado e descobrindo que a reforma não será tão pequena assim. Como conseguir dinheiro para reerguer a livraria e prosseguir a obra no prédio? Será que Natalie irá conseguir salvar a livraria de sua família? 


O objetivo é seguir firme. Tomara que eu consiga. Sempre acreditei que livros tem o quê de magia. Algumas folhas de papel e tinta que podem mudar sua vida. (p. 228)

 

Wiggs nos envolve com uma história atraente e romântica, com uma personagem forte e determinada e ao mesmo tempo sensível e encantadora. Um livro que fala sobre os valores familiares e o aconchego que é estar em um lar. Tem como um de seus temas o dilema “fazer o que gosta ganhando pouco ou fazer o que não gosta ganhando muito”. Menciona vários livros e autores. Além de ter uma narrativa agradável, é uma leitura tranquila e apaixonante.


Título: A livraria dos achados e perdidos

Autora: Susan Wiggs

Editora: Harlequin (1ª Ed. 2020)

Páginas: 368


Trechinhos do livro:

Foto do livro a livraria dos achados e perdidos

Estou indo visitar Tess para um momento de chá e compaixão

Compaixão tem gosto de que?

– Tem gosto de marshemallow derretido com chocolate. (p. 22)

 

Talvez ela goste de montanha-russa de emoções. [...] porque ela sempre tem certeza de que amanhã será um dia melhor. (p. 29)

 

Para descobrir quem você é, lembre-se de quem você foi. (p. 76)

 

Querida não se importe de ser chamada de algo que as pessoas acham que é um insulto. Isso só mostra como essa pessoa é mesquinha, e não a atinge. “Citação  – O sol é para todos" (p. 77)

 

 Sempre pensei que dá pra saber muito sobre alguém com base em que livros ela tem. (p. 246)

 

Agora entendia a devoção de Blythe à livraria. Ao contrário dos homens, os livros eram fáceis. Eles provocam todas as emoções do mundo – alegria, pavor, medo, sofrimento, satisfação – e então acabavam. As pessoas eram imprevisíveis. Impossível de controlar. (p. 279)

 

Sabe o que eu queria? Queria voltar no tempo e encontrar você quando criança, para lhe dar um abraço e dizer que vai ficar tudo bem. (p. 323)

 

Nós não vemos as coisas como elas são, nós a vemos como nós somos. "Citação Anaïs Nin" (p. 328)

0 Comentários